REMOTE FIRST. Um curta-metragem sobre liberdade e propósito nas relações de trabalho. Assista agora!

“Você acorda, segue o seu ritual matinal, prepara um café, se arruma, começa o seu dia de trabalho e não tem ninguém ao seu lado. Você é quem decide se isso é solidão ou liberdade.” Essa frase parece familiar? Sim, é uma adaptação de uma frase clássica de ditados populares e também tem tudo a ver com sentimentos que muitas pessoas vivem trabalhando remotamente.

Tem gente que diz que trabalhar remotamente pode ser um tanto solitário. Várias vezes eu mesma compartilhei desse sentimento, mas comecei a questioná-lo. Com o tempo, fui percebendo que a solidão no trabalho remoto poderia estar presa a uma visão míope.

Afinal, pense comigo, trabalhar remotamente dá autonomia para você fazer o que quiser, lembra? Pois é, logo, não faz sentido se sentir assim. Eu explico o por quê.

Você passa a ter a opção de encontrar as pessoas porque QUER e NÃO porque PRECISA. Esse é o mindset do trabalho remoto.

Por exemplo, hoje você não quer fazer todas as atividades diárias sozinho sentado na sua varanda com o computador. Então, você pode escolher trabalhar na companhia de um amigo, ir até a sede da empresa em que você trabalha ou, simplesmente, trocar de ambiente e conhecer uma nova cafeteria na cidade em que mora.

A liberdade do trabalho remoto é um aliado para evitar a solidão

Combater a solidão trabalhando remotamente pode ser fácil e dá até para ser bem criativo, porque você tem a liberdade como um aliado. Aliás, a história de ficar preso sempre a um mesmo ambiente de trabalho não é saudável e isso não tem a ver somente com a solidão. As suas ideias acabam ficando mais bloqueadas e você se torna menos produtivo.

O livro “O Caminho do Artista”, um clássico da Julie Cameron, fala que para despertarmos o nosso potencial criativo, a gente precisa implementar alguns hábitos em nossa rotina. Um deles é ter o compromisso de usar 1 a 2 horas semanais para viver novas experiências. Pode ser ir até a praia, ficar mais perto da natureza, ir até um restaurante novo, assistir a um filme, conhecer uma livraria, enfim, tudo aqui é válido.

Com o tempo, segundo a autora, você começa a criar novas conexões, estimulando o seu cérebro, e se torna muito mais fácil de ser criativo e, por consequência, produtivo.

Não se esqueça que a criatividade está em tudo o que fazemos e nos ajuda sempre a enxergar uma nova perspectiva para conduzir as nossas tarefas, ideias e projetos. (:

Talvez você ainda não tenha percebido a relação direta dos assuntos, mas estimular a criatividade também é um antídoto para a solidão porque você começa a viver coisas novas a todo o momento. ✌🏻

E já parou para pensar que trabalhando remotamente é muito fácil de estimular a criatividade? Porque, como falei antes, você tem a liberdade de trabalhar de onde, quando e como quiser.

Além de estimular a criatividade, existem outras formas de evitar o isolamento trabalhando remotamente?

Sim! Agora serei um pouco mais prática e vou colocar aqui algumas coisas que já fiz ao longo dos cinco anos que trabalho remotamente. Todas elas me ajudaram a perceber que não há motivos para se sentir sozinho.

E aí, depois de tudo o que falei por aqui, volto para a pergunta inicial. De qual lado você está: trabalhar remoto é mais solitário ou é libertador? Abra a sua mente e veja que viver preso na rotina que uma vez você criou, não precisa ser uma obrigação, mas uma POSSIBILIDADE.

Faça parte do movimento Officeless! #beofficeless 💜

Compartilhar esse post

Outros posts

5 motivos para não usar Slack, WhatsApp ou e-mail no trabalho remoto

Você não precisa ser um nômade digital para trabalhar à distância

Devo cobrar resultados diferentes de quem está remoto?

Faça parte do movimento
#beofficeless

Milhares de pessoas já se tornaram Officeless e voltaram a amar o trabalho que fazem. Ajude você também a acelerar essa mudança que é necessária.

Faça parte do movimento